Notícias

Feiras livres de Vitória ganham nova sinalização

Publicada em 08/11/2021, às 18h20 | Atualizada em 08/11/2021, às 18h20

Por SEGOV/SUB-COM, com edição de Andreza Lopes

Com a colaboração de Rosa Blackman


  • Trabalho decente e crescimento econômico
  • Parcerias e meios de implementação

Os feirantes que atuam na capital terão ainda mais tranquilidade para montar suas bancas para comercializarem seus saborosos produtos. Eles poderão instalá-las tão logo cheguem aos locais de trabalho.

É que a Central de Serviços, por meio da Gerência e Coordenação de Feiras Livres, em parceria com a Secretaria de Transportes e Infraestrutura Urbana (Setran), está instalando placas indicativas proibindo o estacionamento de veículos nas vias, em toda a extensão do espaço demarcado para feiras. O primeiro bairro a receber as placas foi Maria Ortiz.

Na quinta-feira (4), foram sinalizadas as ruas de Jardim Camburi. Nesta sexta-feira (5), foi a vez da colocação das placas indicativas na rua da feira de Jardim da Penha. Já nesta semana, receberão a sinalização nas ruas das feiras de Andorinhas, Rua 7 (Centro) e Santo Antônio. Em Vitória, existem 23 feiras livres, nas quais 600 feirantes tem a oportunidade de exercer trabalho e gerar renda.

Segundo o secretário da Central de Serviços, Leonardo Amorim, a instalação das placas é de grande importância para levar mais dignidade, segurança e organização aos pontos de funcionamento das feiras livres na cidade.

“Sabemos que metade dos consumidores de uma feira livre vão atrás de produtos mais frescos e vindos direto do produtor, mas outra parte vai para apreciar a boa conversa proporcionada pelos feirantes. A sinalização possibilita melhor organização dos espaços, melhor acomodação das bancas, além de evitar transtornos para os motoristas desavisados. Uma ação que só traz benefícios, mantendo a cidade mais organizada”, afirma Leonardo.

Amorim fez questão de destacar a importância das feiras livres para a cidade. “As feiras constituem-se como um mercado varejista ao ar livre, de periodicidade semanal, organizada como serviço de utilidade pública e voltada para a distribuição local de produtos alimentícios e produtos básicos. Daí toda nossa atenção e respeito pelos feirantes e frequentadores”, complementou o secretário da Central de Serviços.


Voltar ao topo da página